25/05/2008

Equilíbrio Biopsicossocioespiritual

por Simone Ferreira

Não é de hoje que o homem vem despertando e ampliando a visão sobre si mesmo e até a ciência, principalmente os profissionais da área da saúde estão começando a ver o ser humano como um ser holístico e não fragmentado, mas como ser biopsicossocioespiritual.
Neste sentido, quanto maior for nosso estado de consciência de quem somos, mais estaremos em sintonia com nossa alma tendo mais claro nosso propósito e missão na vida. E é por isso que nossa natureza precisa ser conhecida, alimentada, respeitada e equilibrada nos seguintes níveis:
Biológico: é o cuidar do corpo. Nossas necessidades físicas precisam estar bem atendidas. Que necessidades são estas? alimentação, sono e exercícios. Precisamos comer com equilíbrio, com bom senso lembrando que não vivemos para comer , mas o contrário. Precisamos repor nossas energias e isto se dá através do sono e precisamos cuidar para não adquirirmos o péssimo hábito do sedentarismo, daí a necessidade de exercícios físicos.
Psicológico: são as nossas necessidades emocionais, afetivas, mentais e intelectuais.É estarmos em harmonia com nossas emoções , nossos afetos .....
Social: é o equilíbrio na convivência com o outro, com os vários grupos onde estamos inseridos, harmonizar nossas trocas afetivas e a comunicação, procurando o diálogo adequado e fraterno.
Espiritual: tem a ver com questões altruístas, em ter um propósito, em fazer o bem aos semelhantes, em cultivar a esperança e principalmente ter fé. É a nossa maneira de nos conectarmos com o Divino.

Nosso ritmo de vida muitas vezes nos impede de vivermos em harmonia mas se desejamos a felicidade precisaremos estar em equilíbrio nestes 4 níveis. É um desafio e tanto, mas cá entre nós, é muito bom termos um desafio na vida.

Referências:  Estressado, eu?  ROSSI, Ana Maria - organizadora, Porto Alegre: RBS Publicações, 2004.

12/05/2008

Educação dos Sentimentos*

por Simone Ferreira
Os sentimentos são luzes que fluem em todos os cantos, emanam de nós e para nós de todos os lugares do Universo.
Deus, que no seu amor infinito nunca criou qualquer sentimento negativo, deu-nos a liberdade e nós com nosso livre-arbítrio, decidimos se queremos vivenciar os bons sentimentos (originados do Nosso Pai Maior) ou os maus sentimentos (criados pelo próprio homem.) Os dicionários definem os sentimentos como um conjunto de qualidades morais do indivíduo, portanto altamente transformadoras de uma sociedade. Sem as qualidades morais o homem voltaria à barbárie, às guerras sem fim e aos sofrimentos de toda a ordem
O sentimento é o cerne da espiritualidade. Ele pode ser considerado uma função racional, mas sutil, porque obedece à lógica do coração e não da cabeça.
Na visão Espírita, os sentimentos foram aflorando progressivamente na psique de INSTINTOS à EMOÇÕES e destas para os SENTIMENTOS.
Como almejar uma sociedade educada moralmente, sem a educação daquilo que é primordial da alma humana: seus sentimentos? E o objetivo da Educação dos Sentimentos , nos diz Jason ¹, é justamente conduzir os sentimentos para desenvolver harmonicamente todas as faculdades do seu ser e fazê-lo chegar ao desenvolvimento das virtudes.
Educar os sentimentos significa direcioná-los para o bem e para ilustrar o que estou dizendo vou contar uma estória de um velho índio que consolava seu neto que veio até ele com um sentimento de raiva de um indiozinho que lhe havia feito uma injustiça: "... eu mesmo disse o sábio índio, algumas vezes senti grande ódio daqueles que "aprontaram" comigo, sem qualquer arrependimento daquilo que fizeram. Todavia o ódio corrói você, mas não fere seu inimigo. É o mesmo que tomar veneno, desejando que seu inimigo morra. Lutei muitas vezes contre esse sentimento." E ele continuou:
" É como se existissem dois lobos dentro de mim. Um deles é bom e não magoa. Ele vive em harmonia com todos ao seu redor e não se ofende com agressões infundadas. Ele só lutará quando for certo fazer isso, e da maneira correta. Mas o outro lobo ...ah! Este é cheio de raiva. Mesmo as pequeninas coisas o lançam num ataque de ira! Ele não pode pensar, porque sua raiva e seu ódio não lhe permitem... É uma raiva inútil, pois sua raiva não irá mudar coisa alguma. Às vezes, é dificil conviver com esses dois lobos dentro de mim, pois ambos tentam dominar o meu Espírito." O indiozinho olhou intensamente nos olhos de seu velho avô e perguntou:
"Qual deles vence, vovô? O avô sorriu, serenamente, e respondeu: " Venceu , meu neto, aquele que eu mais alimento "
.
Na vida é assim, nós é que damos o alimento que sustenta os nossos sentimentos; e eu convido a todos a refletirem sobre qual sentimento (lobo) nós alimentamos mais.

* Texto elaborado para o programa Momento Espírita da Rádio Querência em 20/08/2004 em Sant’Ana do Livramento /RS e revisado para o programa com o mesmo nome na Rádio Cotrisel de São Sepé/RS em janeiro de 2010.
¹ CAMARGO, Jason. Educação dos Sentimentos. Porto Alegre: Letras de Luz, 2003.